Quanto e o que comer para manter nosso coração saudável

A alimentação é fundamental para manter um coração saudável e, como tal, a primeira coisa é regular a ingestão calórica, que não deve exceder o consumo energético.

Você deve consumir muitas frutas e vegetais, de preferência crus. Como fonte de proteína, peixes (cavala, atum, sardinha, salmão) devem ser priorizados pelo menos duas vezes por semana, além de carne branca e clara de ovo. Quando possível, consuma carnes magras, geralmente de animais que se alimentam de maneira mais saudável e natural.

Da mesma forma, os grãos integrais são outro elemento favorável, pois eles contribuem com fibras e vitaminas, além de oferecer maior saciedade, o que permite controlar a ingestão calórica. Assim também, as sementes de chia e linho colaboram na prevenção de doenças cardiovasculares e doenças metabólicas associadas.

Para manter o coração saudável, também há algumas bebidas essenciais. O chá verde ou o café podem ser consumidos no café da manhã, assim como um bom vinho tinto no momento de fazer um brinde nas refeições.

Além disso, os suplementos nutricionais também podem ser benéficos, no entanto, sua dosagem e cronograma devem ser prescritos por um especialista. Estes devem ser considerados especialmente quando não é possível fazer uma dieta equilibrada, incluindo, por exemplo, antioxidantes, espirulina e ômega 3, entre os mais destacados.

Levando em conta que o colesterol é um dos principais fatores que afetam a saúde cardiovascular, é aconselhável consumir os alimentos que mantêm o “colesterol ruim” à distância e que afetam o “colesterol bom”.

Por outro lado, também são recomendados alimentos ricos em ácidos graxos monoinsaturados. Estes permitem aumentar os níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL), conhecido como “colesterol bom”, e melhorar o transporte retrógrado de colesterol para o fígado, limitando sua acumulação nas artérias e o progresso da aterosclerose. Estes ácidos graxos são encontrados em óleos de oliva, canola, soja, abacates, azeitonas e nozes, como amendoim, castanhas e amêndoas.

Outro fator que interfere com a saúde do coração é a hipertensão. Embora, infelizmente, esta é uma doença que não pode ser curada, é uma doença crônica que pode ser adequadamente controlada.

Como sugestão, você deve garantir a ingestão de alimentos que fornecem fibras, pois limitam o excesso de absorção de gorduras e calorias. Entre os alimentos favoritos estão os vegetais de folhas verdes e as frutas cítricas.

Eles também fornecem vitaminas e antioxidantes essenciais para um bom desempenho metabólico e têm função antioxidante, que combate os efeitos inflamatórios do processo hipertensivo.

Quando se trata de óleos, azeite e óleo de canola são os mais indicados.

É importante evitar alimentos gordurosos de origem animal ou gorduras manipuladas industrialmente, como cremes, margarina, manteiga ou maionese. Também devem ser excluídas as “gorduras invisíveis” insalubres presentes em alimentos como biscoitos e bolos.

Além disso, é importante monitorar a ingestão de sódio. A restrição do sódio também protege o controle do volume sanguíneo e a contração dos vasos sanguíneos, afetando assim a função cardíaca.

Cuidados especiais na idade infantil

Desde os 6 anos de idade, quando se inicia a alimentação sólida complementar à lactação materna, é necessário procurar adequar os nutrientes que são incluídos na dieta da criança, pois é nesta época que ela começa a desenvolver os hábitos de alimentação.

Um caso especial também acontece com as mulheres. Os hormônios femininos são um fator protetor para doenças cardiovasculares, mas após a menopausa, esse privilégio é perdido e o risco é aumentado, por isso deve ser enfatizada a importância e as precauções com a alimentação após esse evento.

Deixe uma resposta